EN ESPAÑOL: los árbitros de los playoffs 2021

Este lunes (17), los playoffs de la NBA se reunieron con sus árbitros. La lista de 36 nombres, publicada por la liga, reúne a veteranos y novatos en la fase de postemporada regular. Scott Foster, por ejemplo, ha jugado 201 partidos de playoffs hasta ahora. La relación trae debuts como Lauren Holtkamp, quien lleva siete años en la NBA, y será suplente.

En la lista oficial de titulares, sin embargo, tenemos otros dos debuts: Jacyn Goble y JB DeRosa. Y como árbitro honorario, Tony Brown, quien ha estado presente en 35 partidos de playoffs en sus 18 años de carrera en la liga. Está ausente para recibir tratamiento por cáncer de páncreas.

Los árbitros se eligen a través de indicadores de temporada regular, y de estos nombres saldrán los 12 seleccionados para la final. Nuevamente, la selección se hace por el desempeño en la fase de playoffs.

La lista de árbitros para los playoffs de 2021 es la siguiente:

Brent Barnaky, Curtis Blair, Tony Brothers, James Capers, Derrick Collins, Sean Corbin, Kevin Cutler, Marc Davis, JB DeRosa, Kane Fitzgerald, Tyler Ford, Brian Forte, Scott Foster, Pat Fraher, Jacyn Goble, John Goble, David Guthrie, Bill Kennedy, Courtney Kirkland, Karl Lane, Eric Lewis, Mark Lindsay, Tre Maddox, Ed Malloy, Ken Mauer, Rodney Mott, Kevin Scott, Michael Smith, Ben Taylor, Dedric Taylor, Josh Tiven, Scott Wall, Tom Washington, James Williams, Sean Wright y Zach Zarba.

Las reservas de partidos serán Eric Dalen, Mitchell Ervin, Lauren Holtkamp, Gediminas Petraitis, Justin Van Duyne y Leon Wood.

Crédito: NBA
Crédito: NBA

Foto de portada: SF Chronicle

Playoffs NBA – confira a arbitragem escolhida

Nesta segunda-feira (17), os playoffs NBA conheceram seus árbitros. A lista com 36 nomes, divulgada pela liga, alia veteranos e estreantes na fase pós-temporada regular. Scott Foster, por exemplo, já atuou em 201 partidas de playoffs até agora. A relação traz estreias como a de Lauren Holtkamp, há sete anos atuando na NBA, que estará como substituta.

Na listagem oficial de titulares, entretanto, temos outras duas estreias: Jacyn Goble e JB DeRosa. E, como árbitro honorário, Tony Brown, que já esteve presente em 35 jogos de playoffs nos seus 18 anos de carreira na liga. Ele está afastado para tratamento de um câncer pancreático.

Os árbitros são escolhidos através de indicadores da temporada regular, e destes nomes sairão os 12 selecionados para as finais. Novamente, a seleção é feita pelo desempenho na fase dos playoffs.

A relação dos árbitros para os playoffs de 2021 é essa:

Brent Barnaky, Curtis Blair, Tony Brothers, James Capers, Derrick Collins, Sean Corbin, Kevin Cutler, Marc Davis, JB DeRosa, Kane Fitzgerald, Tyler Ford, Brian Forte, Scott Foster, Pat Fraher, Jacyn Goble, John Goble, David Guthrie, Bill Kennedy, Courtney Kirkland, Karl Lane, Eric Lewis, Mark Lindsay, Tre Maddox, Ed Malloy, Ken Mauer, Rodney Mott, Kevin Scott, Michael Smith, Ben Taylor, Dedric Taylor, Josh Tiven, Scott Wall, Tom Washington, James Williams, Sean Wright e Zach Zarba.

Os reservas das partidas serão Eric Dalen, Mitchell Ervin, Lauren Holtkamp, Gediminas Petraitis, Justin Van Duyne e Leon Wood.

Imagem: NBA
Imagem: NBA

Foto do destaque: Hot 97

Miami Heat pode ser a surpresa dos playoffs novamente?

Equipe, que surpreendeu em 2020 chegando nas finais da NBA, tem chances de repetir o feito em 2021?

Por Luis Fernando Julio, do canal SwishTV BR

Em 2020, após uma sólida campanha de 44 vitórias e 29 derrotas, a equipe do Miami Heat chegou aos playoffs sem grandes expectativas. O time, liderado por Jimmy Butler, Bam Adebayo – que naquela altura já era visto como uma estrela em ascensão -, e Tyler Herro, que vinha de um excelente final de temporada regular, era uma equipe que teria totais condições de fazer uma boa pós-temporada, porém ninguém apostaria que seriam finalistas da NBA. 

Um fato interessante da campanha do Miami naqueles playoffs é que em nenhuma série que disputou, o time era o claro favorito. Contra o Pacers, muitos diziam que o Indiana poderia ganhar devido a sua boa defesa – e no final o Heat venceu por 4-0. Com o Milwaukee Bucks, as chances do Miami eram mínimas, já que enfrentariam o time que liderou o Leste e que tinha o MVP e DPOY do ano ( Giannis Antetokounmpo). A equipe de Eric Spoelstra dominou totalmente a série e venceu por 4-1.

Na final da conferência, ao enfrentar o forte Boston Celtics, venceu com muita autoridade por 4-2. Na final, não passou pelo Los Angeles Lakers, porém foi uma campanha incrível e totalmente surpreendente. Mas será que isto pode se repetir? 

A equipe manteve sua base de 2020, porém se reforçou bem durante a temporada, adquirindo nomes como Andre Iguodala e Trevor Ariza. Os dois jogadores trouxeram, além de qualidade técnica, uma experiência importante para o desenvolvimento dos jovens Herro e Adebayo.

Mesmo sofrendo com lesões durante todo o ano, principalmente de Butler e Adebayo, o time fez uma temporada muito sólida de 39 vitórias, mantendo-se entre os seis primeiros no leste – porém abaixo do projetado para um atual vice-campeão. Mas, devido aos problemas, a temporada pode ser considerada satisfatória.

Heat tentará repetir a boa atuação de 2020. Foto: Sporting News.

Após o período regular, algo que se repete novamente na conferência Leste é a falta de confiança e expectativa para o Miami nos playoffs. Em projeções dos favoritos, vemos sempre Philadelphia 76ers, Brooklyn Nets e Bucks despontando – basicamente, ninguém sequer pensa em colocar o Miami como favorito, o que pode ser um grande erro.

Equipe revigorada

O Heat chega muito mais pronto e completo para essa pós-temporada do que no ano anterior. Butler vem de sua melhor temporada individual, assim como Adebayo, que é claramente um dos pivôs mais versáteis da liga e um dos melhores defensores de toda a NBA. E conta com um elenco muito mais versátil, com Trevor Ariza, Andre Iguodala, Kendrick Nunn, Herro e Goran Dragic na rotação. Ou seja: como o time que foi vice-campeão na ultima temporada chega melhor para essa e não é considerado favorito na sua conferência?

Mesmo enxergando realmente 76ers, Bucks e Nets como times mais fortes e com uma temporada melhor do que o Heat, eu jamais subestimaria esse time, pois durante a temporada conseguimos ver uma evolução gigantesca ofensiva, além de uma manutenção muito bem feita da excelente defesa da equipe. Então, para quem duvida que o Miami possa repetir o feito do ano anterior e surpreender a todos nos playoffs, eu aconselharia a pensar melhor, pois jamais duvidaria de um time tão forte e tão casca grossa como o Miami Heat de 2021.

Dwight Howard suspenso por um jogo

Posteriormente à partida de ontem, nesta sexta-feira (14), Dwight Howard está suspenso por um jogo. A NBA divulgou que a punição dá-se pela regra de suspensão automática quando um atleta recebe, na mesma temporada, a 16.ª falta técnica.

Assim, Howard desfalca a equipe hoje no jogo do Philadelphia 76ers contra o Orlando Magic. Sean Corbin, na NBA há 26 anos, era o segundo árbitro da partida e separou o jogador na altercação com Udonis Haslem, do Miami Heat. O veterano de 40 anos, da equipe da Flórida, posteriormente foi expulso do jogo.

Imagem: NBA

Além de Corbin, completaram o trio de arbitragem Tony Brothers, como crew chief, e Lauren Holtkamp.

Imagem: Árbitros NBA

Árbitros e a importância da boa forma física

Por João Vital, estudante de Medicina na Universidade Federal de Rondonópolis

A temporada regular da NBA tem se encaminhado para o fim, e a carga de jogos na próxima semana será enorme para finalizá-la. É comum debatermos o quanto essa temporada vem sendo prejudicial para os atletas, com diversas estrelas ficando por meses fora da competição. Mas não são apenas os jogadores que vêm sofrendo com a desgastante temporada. A arbitragem, com menos recursos e poderio financeiro que as franquias, vem tendo grandes dificuldades de se manter saudável nesse período. 

A pandemia está a cada dia mais controlada nas terras de Tio Sam, mas trouxe uma série de afastamentos do corpo de arbitragem das quadras. Com isso, cada vez mais partidas têm contado com um quadro de arbitragem jovem e com breve experiência na NBA, o que deixou alguns gerentes das franquias descontentes, como relatado aqui.

Sem contar que, com a Síndrome Pós-Covid, muitos dos que se contaminam com a doença sofrem uma série de agravos que podem atrapalhar o desempenho físico destes profissionais, como falta de ar, dores nos membros inferiores e problemas cardíacos, que podem encerrar a carreira de árbitros e atletas. Ainda há também dificuldades em se comunicar, para raciocinar e de memória. 

Passados todos os problemas com os que tiveram ou foram expostos a pessoas com Covid-19, aqueles que não foram afastados passam a sofrer com a sobrecarga de trabalho e viagens para conseguir suprir a ausência dos companheiros. Lesões passaram a ser cada vez mais comuns no meio da arbitragem, o que levou a sobrecarregá-los ainda mais. 

Os manuais das federações de basquete sempre destacam a importância dos árbitros em se manterem em forma, sobretudo no basquete atual, que é mais dinâmico que o de outrora. Para isso, recomendam a prática de alguns exercícios pré-jogo, a fim de evitar, ou pelo menos reduzir, os riscos de lesões. Além disso, ressaltam que a prática de atividade física além das funções de arbitragem é de suma importância para a saúde mental, extremamente necessária para sua função. 

Courtney Kirkland corre em uma partida. Foto: MLive.com

Uma das articulações mais acometidas são os joelhos. A sobrecarga é gerada pela movimentação lateral, sobretudo pelas mudanças de direção frequentes que um árbitro de basquete tem de fazer para estar bem-posicionado na quadra. Para isso, deixaremos uma dica* de exercícios que pode auxiliar a desenvolver a musculatura da perna para essas mudanças rápidas de direção. 

Primeiro você vai realizar um alongamento: 

  • Com as costas retas e as pernas juntas, dobre uma das pernas para trás segurando no pé por 1 minuto, repita com a outra perna e se necessário se apoie em uma parede. 
  • Estique a perna e mantendo o calcanhar no chão, eleve a ponta do pé e tente alcançar com a ponta dos dedos e mantenha por 1 minuto. Repita com a outra perna. 
  • Com as pernas ligeiramente abertas, dobre o corpo para a frente, tentando tocar com as pontas dos dedos nos pés, também durante 1 minuto.

Após o alongamento, realize a seguinte sequência de exercícios:

  • 3 passos para um lado e 3 passos para o outro lado
  • 2 passos para um lado e 2 passos para o outro lado
  • 1 passo para um lado e 1 passos para o outro lado

Repita a sequência por três vezes. Com esse exercício e com os alongamentos, você poderá fortalecer os músculos da perna e acostumar o corpo com as mudanças de movimento. Esses exercícios são recomendados para árbitros e atletas, independente da modalidade. 

*Antes de realizar qualquer atividade física, procure um profissional especializado. Não faça nenhum exercício sem o acompanhamento necessário.

Foto do destaque: Detroit Free Press.

Site do Árbitros NBA repaginado

Página aposta na tendência de espaços em branco e informação condensada

Lançado em dezembro de 2020, o site Árbitros NBA estreou, nesta terça-feira (11), alterações em seu conteúdo e layout. Páginas foram reduzidas, para que o conteúdo delas fosse focado somente nas redes sociais da marca, e o design manteve e aumentou os espaços em branco, seguindo uma tendência mundial na área.

A intenção da nova formatação foi preparar o site para o lançamento de produtos e conteúdos associados à marca, além de otimizar a experiência do visitante e leitor do site. Grande parte do conteúdo será disponibilizado, além do português, em inglês e espanhol.

A execução das mudanças estéticas foi inspirada na consultoria de estilo e imagem que o Árbitros NBA fez com Gabriela Cruz, jornalista e artista visual, sócia da o3criatividade.

Além de seu conteúdo voltado para a NBA, o site mostra um crescimento de conteúdo conectado à arbitragem nacional e da América Latina.

Damian Lillard e Portland : o fim de um casamento?

Rumores sobre possível saída do astro crescem mais a cada dia que passa

Por Luis Fernando Julio, do canal SwishTV BR

Em 2012, a franquia do Portland Trail Blazers buscava se consolidar como uma força na conferência Oeste. O time, que já contava com o ala-pivô LaMarcus Aldridge, precisava de uma segunda liderança. Um jogador capaz de mudar o rumo do time, e foi com essa esperança que Damian Lillard chegou à equipe de Portland. Mesmo longe de ser um dos nomes mais badalados daquela classe, que contou também com Bradley Beal e Anthony Davis, Damian foi o principal calouro daquela temporada, onde conquistou o prêmio de Novato do Ano, e consequentemente fez com que a torcida pudesse sonhar com um futuro de vitórias para o time.

LaMarcus e Lillard: dupla de peso no Portland de antigamente. Foto: Blazer’s Edge.

Anos mais tarde, LaMarcus Aldridge abandonou o projeto do Blazers e se juntou ao poderoso San Antonio Spurs, fazendo com que toda a responsabilidade de carregar Portland a vitórias caísse nos ombros de Damian Lillard. Pressão e cobranças nunca foram coisas que atrapalharam Lillard – muito pelo contrário. Sempre se pareceu que quanto maiores as expectativas e desafios, mais o armador jogava. Porém, é fato que seu time nunca conseguiu acompanhar seu nível de excelência, e ano após ano Damian via cada vez mais distante a possibilidade de ser campeão do melhor basquete do mundo.

Em 2019, Damian Lillard teve fortes esperanças de se ver em uma final da NBA, muito por conta do nível impressionante que teve nos playoffs daquela temporada, onde fez atuações inesquecíveis contra Oklahoma City Thunder e Denver Nuggets. Porém, ao se deparar com o forte Golden State Warriors, vimos que as fraquezas de Portland não conseguiriam mais ser mascaradas pelas atuações maravilhosas de seu armador. Em 2020, Lillard se manteve em altíssimo nível, mas novamente sem sucesso coletivo, e a temporada atual nos dá a impressão que tudo irá se repetir, já que com médias de 28,6 pontos e 6,6 rebotes, Damian poderia tranquilamente brigar para o prêmio de MVP. Mas novamente seu time, que ocupa atualmente a sexta colocação, não dá o menor sinal de que poderá brigar por algo maior do que uma semifinal de conferência.

Devido a tudo isso, os rumores sobre um possível pedido de troca de Damian Lillard têm crescido de forma gigantesca. Muitos jornalistas apontam um forte desapontamento dele com seu time, algo que é totalmente justificável, e prováveis destinos já se mostram muito plausíveis para o All-Star. New York Knicks e Los Angeles Lakers são os que possuem mais força, principalmente a franquia de Nova Iorque, que com um excelente basquete apresentado nessa temporada, poderia ter em Lillard a peça que falta para voltar aos tempos de glória.

Particularmente eu não acredito que o armador pediria uma troca, muito por conta do respeito e amor que ele possui com a cidade, mas essa é uma opinião dada com a razão. Pois, se eu utilizar minha emoção como guia, diria que Damian Lillard deveria sim buscar um novo time, um que o dê a real possibilidade de chegar ao máximo que pode; uma franquia que lhe dê a visibilidade que sempre mereceu, já que suas recentes temporadas, se fossem feitas em outra equipe, com toda a certeza teriam um impacto muito maior dentro da NBA.

É fato que Portland busca uma nova perspectiva – a demissão do treinador Terry Stotts já foi divulgada e será feita ao fim da temporada. Seria esse o início de uma reconstrução? E será que a saída de Damian Lillard faz parte desta nova fase do Blazers? Eu não acredito muito nessa saída, mas a NBA é mestra em surpreender os fãs com negociações totalmente inesperadas. Veremos se este será mais um caso de uma estrela buscando um novo lar.

Árbitro Tony Brown tem câncer no pâncreas, divulga NBA

A NBA divulgou nesta segunda-feira (10) que o árbitro Tony Brown padece de câncer no pâncreas, e não retornará às quadras nesta temporada. Ele foi diagnosticado com a doença no mês passado. Conforme divulgado na semana passada pelo Árbitros NBA neste post, Tony Brothers já havia adiantado em seu Facebook pessoal sobre a gravidade do quadro. Veja abaixo o comunicado oficial da liga:

Imagem: NBA

Monty McCutchen, vice-presidente sênior de Desenvolvimento e Treinamento de Arbitragem, disse que “Tony é um membro querido da família NBA, e, em particular, de nossa família de árbitros. Além de exemplificar o que é ser um árbitro de nível mundial em quadra, ele tocou muitas vidas fora dela. A família de árbitros da liga apoia Tony com pensamentos e orações nessa batalha corajosa que vem enfrentando.”

NBA multa VP do Pelicans por comentário sobre Zion

A NBA divulgou neste domingo, dia 09, a multa de 50 mil dólares para David Griffin, vice-presidente de Operações de Basquete do New Orleans Pelicans. O VP culpou publicamente a arbitragem pela lesão de Zion Williamson. O astro do Pels fraturou o dedo anelar da mão esquerda e a previsão é que não retorne nessa temporada.

Griffin declarou que se sente frustrado. “Nós avisamos a NBA através de todos os meios possíveis, enviando vídeos, falando com todos no departamento de arbitragem e todos do departamento de operações de basquete, que o jeito com que eles vinham arbitrando em relação a Zion ia levar a uma lesão.”

Veja o comunicado oficial:

NBA Mother’s Day – Lauren Holtkamp

Mother’s Day, celebrated in Brazil and the United States on the second Sunday of May, also reaches the NBA. However, there’s a mother who may be far from her baby on this date. Lauren Holtkamp, a league’s referee for seven years, is one of them. At first glance her work seems to make it impossible to create a child, but she acted with the league and the association of referees, making this mission a little easier.

Lauren is married to NBA referee Jonathan Sterling, and in 2019 the couple had their daughter, Stoan. Since then, the two have established some logistics for the care of the child. Regarding breastfeeding, Lauren researched, during pregnancy, how the U.S. Armed Forces did with the officers of their staff, and, along with NBA Referees Association, managed to get her milk transported to her home in Atlanta on the days she was traveling.

Lauren, Jonathan and their baby, Stoan. Photo: Tampabay.com

Previously, sports leagues such as the PGA Tour also used the resource of sending breast milk through carriers operating by air and land in the country. When Lauren and Jonathan are traveling, they have some help from their family and a nanny. “We received incredible support from our family, and we have a spectacular nanny. I’m sure we’ll both be flexible with anything that happens, and that we’ll always be understanding of each other,” Lauren says.

In order for referees to schedule their routines, since they spend about 25 days a month on the road, they receive the roster for the games a month in advance. However, this data is public less than 12 hours before the games. With this, the couple manages to make another lineup: that of those who will take care of little Stoan while his parents tour the U.S. refereeing the most competitive basketball league in the world.