Estreia da coluna Raio X tem Carolzinha Galvão

Por Alice Barbosa, jornalista e CEO do Árbitros NBA

Estreia da coluna Raio X. Nesta terça (14), o Árbitros NBA estreia a coluna Raio X, um espaço para o público fã de basquete conhecer melhor quem são os profissionais da arbitragem fora das quadras.

A primeira coluna traz a árbitra nacional Carolzinha Galvão, bacharel em Educação Física. Confira suas escolhas:

Nome completo: Ana Carolina de Andrade Galvão
Nome na arbitragem: Carolzinha Galvão
Cidade de nascimento: Rio de Janeiro
Hobby: “sou bem viciadinha em séries e filmes. Sempre tô vendo alguma coisa! Ah, e a gastronomia 😍 (sair pra comer ❤️)”
Atividade física preferida: “jogar um basquetinho 🏀😍”
Melhor livro que leu: O Milagre da Manhã, de Hal Elrod
Um filme inesquecível: À Espera de um Milagre
Prato preferido: “qualquer um que tiver camarão ❤️”
Viagem que sonha em fazer: “sonho em conhecer a Grécia.”

Tom Hanks e Michael Clarke Duncan em À Espera de um Milagre (1999).

82 jogos da NBA – e quantos árbitros?

Por Alice Barbosa, jornalista e CEO do Árbitros NBA

82 jogos. Esta foi a quantidade de disputas divulgadas em agosto pela NBA para a temporada 2021/22. As partidas do período regular acontecerão de 19 de outubro a 10 de abril, e uma das especificidades será que nenhuma franquia jogará quatro jogos em cinco dias. Esta será a quarta temporada consecutiva de 82 jogos com essa restrição.

Ainda em pandemia e com 10 partidas a mais do que no período anterior, a estrutura da arbitragem para esta temporada terá que contar com uma logística especial. Os 72 jogos de 2020/21 tiveram à disposição 73 árbitros de dedicação exclusiva, além do grupo de seis dos chamados non-staff, profissionais que ainda dividem seu tempo em outras ligas estadunidenses como WNBA e G League.

Porém, muitos profissionais, dentre esses 73, não participaram da temporada, por questões de saúde não divulgadas pela NBA. No fim de janeiro de 2021, por exemplo, eram cinco os árbitros afastados. Apenas as lesões de J.T. Orr e Kane Fitzgerald foram de conhecimento público, por terem se lesionado durante partidas. Dos dois, apenas Fitzgerald voltou às quadras. Já Orr apenas retornou para o Replay Center.

Nesta temporada, pelo menos é certo que dois árbitros não estarão disponíveis para os jogos. Tony Brown está afastado para tratamento de um câncer pancreático, e seu retorno ao trabalho é dado como incerto pela liga. Brown já era um árbitro que atuava na primeira posição, a de crew chief.

Tony Brown, que está em tratamento contra um câncer no pâncreas. Foto: divulgação/NBA

A outra baixa é a de Ashley-Moyer Gleich, que, segundo foto postada por outra árbitra da NBA, Jenna Schroeder, está grávida. A imagem, publicada no Instagram de Jenna no último domingo (12), é acompanhada de uma legenda que deixa a entender que o bebê de Ashley, inclusive, já poderia ter nascido.

Lauren Holtkamp, Ashley Moyer-Gleich e Jenna Schroeder: três oficiais da arbitragem fixa da NBA. Foto: IG/Jenna Schroeder

Referee Fitness Pro, a referee training program

By Alice Barbosa, sports writer and Árbitros NBA CEO

Referee Fitness Pro is a platform developed by three professionals that realized the need to have a physical conditioning program for referees in Brazil. Gregório Lelis, Ramiro Inchauspe, and Pablo Barbian are coordinators of the Physical Fitness Control of the Brazilian Basketball Confederation (CBB), and now they share their experience in the fitness area for those who want to improve and optimize their training.

The program has a training schedule, which involves strength, running, Pilates, flexibility, and recovery activities. The subscriber can access the modules through any electronic device, including lectures on topics related to well-being.

Lelis emphasizes that proper fitness for the role is essential for the professional to perform on the four lines. “Both for the beginner and an experienced referee, good physical conditioning is essential for the referee to have control of the game’s decisions, especially in moments of tension and conflict situations.”

“We created the platform to encourage all referees to follow a training routine, which is specific to the sport. Initially, we identified pain in many referees, which was the lack of a specific training program for the sport. Many trained on their own; however, as the vast majority did not have specific knowledge, they end up forgetting other physical abilities which the referee needs to train.” He highlights other attractions, such as guidelines on nutrition and how to deal with the pressure of the profession.

Ramiro Inchauspe says that the platform facilitates refereeing mechanics, fundamental to improve the positioning on the court. And he mentions the importance of professionals having this type of follow-up to avoid injuries. “Many referees train on their own, many still with that thing that I only need to run to pass the physical test. They don’t train demands that will prevent injuries.”

Featured Image: disclosure/Columbia Missourian.

Conheça o Referee Fitness Pro, programa de treinamento para árbitros

Por Alice Barbosa, jornalista e CEO do Árbitros NBA

O Referee Fitness Pro é uma iniciativa de três profissionais ligados à arbitragem, que perceberam a necessidade de se desenvolver no Brasil um programa de condicionamento físico específico para árbitros. Gregório Lelis, Ramiro Inchauspe e Pablo Barbian são coordenadores do Controle de Aptidão Física da Confederação Brasileira de Basquetebol – CBB, e agora dividem sua experiência na área fitness para quem desejar aprimorar e otimizar seus treinamentos.

O programa conta com um cronograma de treinamento, que envolve atividades de força, corrida, pilates, flexibilidade e recuperação. O assinante poderá acessar os módulos através de qualquer dispositivo eletrônico, inclusive palestras sobre temas ligados ao bem-estar.

Lelis enfatiza que um condicionamento físico adequado para a função é essencial para o desempenho do profissional dentro das quatro linhas. “Tanto para o iniciante quanto para um árbitro experiente, um bom condicionamento físico é fundamental para que o árbitro tenha controle das decisões do jogo, especialmente em momentos de tensão e situações de conflito.”

Imagem: divulgação Referee Fitness Pro e Árbitros NBA.

Já Barbian, fisioterapeuta, ressalta que o programa traz como maior benefício a criação de uma rotina de treinamentos desenvolvida especialmente para a demanda física do árbitro, que possui uma mecânica de movimento particular. “A plataforma foi criada com o objetivo de estimular todos os árbitros a seguirem uma rotina de treinamento, a qual é específica para a modalidade. Inicialmente identificamos uma dor em muitos árbitros, que era a falta de um programa de treinamento específico para a modalidade. Muitos treinavam por conta própria; porém, como a grande maioria não tinha conhecimento específico, acaba esquecendo de outras capacidades físicas as quais o árbitro necessita treinar.” Ele frisa outros atrativos do programa, como orientações sobre nutrição e como lidar com a pressão da profissão.

Ramiro Inchauspe conta que a plataforma facilita a utilização da mecânica de arbitragem, fundamental para melhorar o posicionamento em quadra. E cita a importância dos profissionais terem este tipo de acompanhamento a fim de evitarem lesões. “Muitos árbitros treinam por conta, muitos ainda com aquela coisa de que só preciso correr para passar no teste físico. Eles não treinam demandas que vão prevenir lesões.”

Conheça mais casos de empreendedorismo realizados por árbitros clicando nos links 1, 2 e 3.

Imagem de destaque: divulgação/Referee Fitness Pro.

🇺🇸Was it a foul? NBA referees explain rules on social media

By Alice Barbosa, sports writer and Árbitros NBA CEO

Basketball rules can sometimes not be 100% known by fans. Many lovers of them question, during a game, whether a certain move was a foul or not.

Rules from NBA
Photo: NYT.

To alleviate these doubts and bring refs closer to spectators, the National Basketball Referees Association (NBRA), last week, posted explanations about some fouls. Many of them were requested by fans, through this organization’s request:

The tweet, published on August 12, had 144 likes and 122 responses at the end of this article.

Rules

The first question posted was about a play in the match between Los Angeles Lakers and Golden State Warriors, on May 19, during the play-in tournament. The game had the victory of the L.A. franchise by 103 to 100. The question raised was about not calling a foul to the Lakers bench, 37 seconds into the game.

The referees association’s explanation followed.

In addition to NBRA’s Twitter, explanatory videos can be found on the NBA’s website dedicated to refereeing. On the Points of Education page, anyone who follows basketball will find several videos with analysis and answers about foul calls.

Cover photo: Bleacher Report.

Want to know more about NBA/basketball referees and refereeing? Follow Árbitros NBA on Twitter, Facebook, Instagram and LinkedIn.

Foi falta? Árbitros da NBA explicam regras nas redes sociais

Por Alice Barbosa, jornalista e CEO do Árbitros NBA

As regras do basquete podem, por vezes, não serem 100% conhecidas pelos fãs. Muitos apaixonados pela bola redonda questionam, durante uma partida, se um determinado lance foi falta ou não.

Com o intuito de diminuir essas dúvidas e de aproximar os profissionais da arbitragem dos espectadores, a Associação de Árbitros da NBA (NBRA), na semana passada, postou explicações sobre algumas faltas. Muitos dos lances esclarecidos foram solicitados por fãs, através deste pedido da organização:

“Há uma marcação de falta da temporada 2020/21 que você quer ver esclarecida? Responda a esse tweet informando-nos o jogo e o lance em questão, ou coloque um vídeo, e responderemos de acordo com a regra”. O tweet, publicado em 12 de agosto, teve, até o fechamento desta matéria, 144 likes e 122 respostas.

A primeira dúvida postada foi sobre uma jogada da partida entre Los Angeles Lakers e Golden State Warriors, em 19 de maio, durante o torneio de play-in. O embate teve a vitória da franquia angelina por 103 a 100. A questão levantada foi sobre a não marcação de uma falta para o banco dos Lakers, aos 37 segundos para o encerramento do jogo.

A explicação da associação de árbitros veio em seguida. Faltas técnicas somente poderiam ser dadas aqui se um jogador cometesse a chamada “carga” ou se alguém fizesse contato com o arremessador durante seu tiro. Carga, tocar no arremessador, acenar com uma toalha ou algo semelhante é ILEGAL e passível de falta técnica. Pela regra, bater palmas ou gritar com um arremessador não justifica uma falta técnica.

Além do Twitter da NBRA, vídeos explicativos podem ser consultados no site da NBA dedicado à arbitragem. Na página Points of Education (Pontos de Educação), quem acompanha o basquete encontra diversos vídeos com análises e respostas sobre marcações de falta.

Foto de destaque: YouTube.

Summer League: Learn more about the tee in support of referee Tony Brown

By Alice Barbosa, sports writer and Árbitros NBA CEO

In this year’s NBA Summer League, NBA referees scheduled for the event show their support for seasoned teammate Tony Brown, diagnosed this year with pancreatic cancer.

Before matches, officials enter the court wearing a purple T-shirt, with one arm in a strong position, with the initials “TB”; on the back of the shirt, 6 Strong, which is Brown’s NBA number.

Summer League referees from NBA: Nate Green, Jonathan Sterling and Matt Myers. Credit: NBRA.

Some referees also wore the shirt in situations outside the four lines, as happened this break season for some professionals. In the photo below, five full-time NBA referees on vacation wear the campaign T-shirt – Lauren Holtkamp, Simone Jelks, Ashley Moyer-Gleich, Natalie Sago, and, in front, Jenna Schroeder.

The shirt is for sale on the NBA Referees Association website, and, as the page explains, the intent of marketing has many factors. “The NBRA family and community is committed to standing in solidarity as Tony continues to fight against his recent diagnosis. We hope to raise awareness of pancreatic cancer, empower others to be proactive in their diagnosis or diagnosis of a loved one and continue support for our fellow ref, brother, and friend, Tony.”

PanCAN (Pancreatic Cancer Action Network) is the health organization involved in this campaign. Their mission is to “take bold action to improve the lives of everyone impacted by pancreatic cancer by advancing scientific research, building community, sharing knowledge, and advocating for patients.”

Summer League: conheça mais sobre a camiseta em apoio ao árbitro Tony Brown

Por Alice Barbosa, jornalista e CEO do Árbitros NBA

Na Summer League da NBA deste ano, os árbitros da NBA escalados para o evento vêm mostrando apoio ao experiente colega Tony Brown, diagnosticado este ano com câncer no pâncreas.

Na foto, três árbitros da NBA exibem seu apoio à luta de Tony Brown: Nate Green, Jonathan Sterling e Matt Myers. Foto: NBRA.

Antes das partidas, os oficiais entram em quadra vestindo uma camiseta roxa, com um braço em posição de força, com as iniciais “TB”; no verso da blusa, 6 Strong, que é o número de Brown na NBA mais a palavra “forte”, em inglês.

Alguns árbitros também vestiram a camisa em situações fora das quatro linhas, como aconteceu nesta temporada de pausa para alguns profissionais. Na foto abaixo, cinco árbitras de dedicação exclusiva na NBA, em férias, usam a camiseta da campanha – Lauren Holtkamp, Simone Jelks, Ashley Moyer-Gleich, Natalie Sago, e, à frente, Jenna Schroeder.

Sete oficiais de basquete apoiam Tony Brown, sendo cinco delas da NBA: Lauren Holtkamp, Simone Jelks, Ashley Moyer-Gleich, Natalie Sago, e, à frente, Jenna Schroeder. Foto: NBRA.

A camiseta está à venda no site da Associação de Árbitros da NBA, e, como explica a página, o intuito da comercialização tem muitos fatores. “A família e comunidade NBRA está comprometida em solidariedade, à medida que Tony continua a lutar contra seu diagnóstico recente. Esperamos conscientizar as pessoas sobre o câncer pancreático, empoderar outras para serem proativas em seus diagnósticos – ou de seus parentes – e continuar apoiando nosso colega árbitro, irmão e amigo Tony. “

A instituição que é referência na campanha é a PanCAN (Rede de Ação do Câncer Pancreático), que tem como missão “tomar ações corajosas para melhorar a vida de todos que foram impactados pelo câncer pancreático, ao promover o avanço científico, a construção de uma comunidade, a divisão de conhecimento e à proteção aos pacientes.”

Brazilian Andreia Regina Silva will referee in the final of women’s basketball in Tokyo Olympic Games 2020

By Alice Barbosa, reporter and Árbitros NBA CEO

Andreia Regina Silva will be in the final of women’s basketball at the Tokyo Olympic Games. The match between the United States and Japan will be this Saturday, the 7th – refereeing trio: Manuel Mazzoni, from Italy; Andreia; and Maripier Malo, from Canada. Maripier, or MP, as she is known, like the Brazilian, is a debutant in the Olympics.

Brazil was also represented in the men’s basketball final, between France and the United States, played on Friday night (06), and won by the US team by 87-82. Guilherme Locatelli was the crew chief of the refereeing team.

Andreia and Manuel Mazzoni together refereed the quarter-final match between Spain and France, won by the French team, with a difference of just three points (64 to 67). The Final game will be Andreia’s eighth one in Tokyo. 

She was on the court in five games of the regular group stage. She also participated in the quarter-final between Spain and France, and finally, in the semifinals phase, between the United States and Serbia.

Andreia Regina Silva told LNB (Brazilian National Basketball League) website how she saw her call for the event. 

“It was already a pleasant surprise to be on the Club World Cup team as the fourth referee in a World FIBA call-up. Now, the call for the Olympics was something I wasn’t expecting, although I was in 2020 as a standby referee. But even so, when I saw this new call-up and that I would be among the 30 referees listed to work in Tokyo, I can’t believe it; 22 years of dedication, tears, and joy. It has been 22 years living in São Paulo, far from my family and pursuing a dream that has arrived.”

Photo credit: Databasket.

A brasileira Andreia Regina Silva apitará na final do basquete feminino em Tóquio

Por Alice Barbosa, jornalista e CEO do Árbitros NBA

Andreia Regina Silva estará na final do basquete feminino dos Jogos Olímpicos de Tóquio. A partida entre Estados Unidos e Japão será neste sábado (07), às 23h30 (horário de Brasília). O trio de arbitragem será formado pelo italiano Manuel Mazzoni; por Andreia; e pela árbitra Maripier Malo, do Canadá. Maripier, ou MP, como é conhecida, assim como a brasileira, é estreante em olimpíadas.

O Brasil já foi representado também na final masculina do basquete, entre França e Estados Unidos, disputada na noite de sexta (06), e vencida pela seleção estadunidense por 87 a 82. Guilherme Locatelli foi o crew chief da equipe de arbitragem.

Andreia e Manuel Mazzoni arbitraram juntos a partida das quartas de final entre Espanha e França – embate vencido pelos franceses, por uma diferença de apenas três pontos (64 a 67). Este será o oitavo jogo de Andreia em Tóquio. Ela esteve em quadra em cinco jogos da fase regular de grupos, no confronto de quartas entre Espanha e França e por fim, na semifinal entre Estados Unidos e Sérvia, cuja vitória deu o passaporte às finais para a esquadra estadunidense.

Andreia, ao saber de sua escalação para Tóquio, contou ao site da LNB (Liga Nacional de Basquete) como viu sua convocação para o evento. “Já foi uma grata surpresa estar na equipe do Mundial de Clubes como quarta árbitra em uma convocação da FIBA Mundo. Agora, a convocação para a Olimpíada foi algo que eu não esperava, embora estivesse em 2020 como árbitra stand-by se caso algum árbitro não fosse. Mas, mesmo assim, quando vi essa nova convocação e que eu estaria entre os 30 árbitros relacionados para trabalhar em Tóquio, eu não acreditei. São 22 anos de dedicação, lágrimas e alegrias. 22 anos morando em São Paulo, longe da minha família e perseguindo um sonho que chegou.”

Foto de destaque: Estadão.