🇺🇸🇧🇷Basketball Stories

Basketball stories told by Alice Barbosa, sports writer and Árbitros NBA CEO.

Histórias do basquete contadas por Alice Barbosa, jornalista e CEO do Árbitros NBA.

Texts in English and Portuguese /Textos em inglês e português.


🇺🇸Jokic and the Band of Brothers

We few, we happy few, we band of brothers.

(Henry V, William Shakespeare)

The English troubadour stressed in one of his most important works the broad concept of brotherhood. When it comes from the bonds of blood, this union leaves books’ pages and materializes in the streets – and this case, on the courts.

Band of Brothers. Photo: Focus News.

The multicultural town of Sombor, Serbia, was small for the talent of the little one (?) Nikola. Nemanja and Strahinja, from an early age, knew that the younger brother would be a reliable asset, even if it cost both of them the price of independent life.

The two are more than ten years away from the last child of the Jokic family. They were children during the troubled political and economic situation of the 1990s in the former Yugoslavia. The streets have shaped them as strong and resilient men, and in them, choices are risky and sometimes eternal. Strahinja and Nemanja built their images with all the stereotypes of street survivors: strong, tattooed, manly.

Both are familiar with the orange ball. Strahinja had a stint in Europe, and Nemanja played in the United States at the University of Detroit Mercy. Today, the place of the two is outside the four lines, in the first chairs of the Ball Arena, shouting in support of last season’s MVP.

When Mega Vizura hired Nikola in 2012, he did not have the option to go solo to Belgrade. So instead, Strahinja accompanied a young man of 6 ft 11 in, but with a maturity that didn’t follow the large stature.

This young man from the province, a fan of soft drinks, a professional team’s training, and a game schedule – all of these were brutal. Yet, at the slightest sign of smooth, Strahinja called him in the corner of the court and, perhaps with less poetry than Shakespeare, reminded him of the origins in Sombor’s tiny apartment and the brotherhood that would lead them to success. Band of brothers.

From Belgrade, the trio moved to the United States in 2014. The friendly and welcoming Denver has become, to this day, the Serbian embassy for the family. The American Way of Life is full of stories of overcoming immigrants struggling until the stars and stripes welcome them. However, the Jokic clan did not begin their U.S. journey with discretion; on the contrary: in the apartment, they until recently shared, neighbors reported the fear when they found Strahinja and Nemanja in the hall of the building – mezzo xenophobic situation, mezzo we are bad boys.

Nikola has already stepped on American soil with the most gregarious and valuable character that an immigrant can have: the humorous giant. He spends some minutes before matches to greet children in the corridors of the Nuggets arena.

Strahinja and Nemanja are the wooden pillars that support Nikola’s weight. The foreigner who reinvented, in these times, the role of the center as a legitimate PG. In the cramped armchair of his flight from Europe to the USA, the Serbian boy decided to stop taking Coca-Cola for longevity in NBA showbiz.

But not all Jokic sacrifices are apparent like this.

What do Strahinja and Nemanja think when they lay their heads on the pillow at night?

We are few, few, but happy – we, band of brothers.


Jokic e o Band of Brothers

We few, we happy few, we band of brothers

(Henry V, William Shakespeare)

Somos poucos, poucos, mas felizes – nós, bando de irmãos. O trovador inglês ressaltou em uma de suas obras mais importantes o conceito amplo de irmandade. Quando vem dos laços de sangue, a união deixa as páginas dos livros e se materializa nas ruas – e neste caso, nas quadras.

A multicultural cidade de Sombor, na Sérvia, era pequena para o talento do pequeno (?) Nikola. Nemanja e Strahinja, desde cedo, sabiam que o irmão caçula seria um ativo a ser lapidado, nem que isso custasse aos dois o preço de uma vida independente.

Os dois distanciam-se mais de 10 anos do último filho da família Jokic. Foram crianças durante a atribulada situação política e econômica dos anos 90 na antiga Iugoslávia. As ruas os moldaram como homens fortes e resilientes, e nelas, as escolhas são arriscadas e, por vezes, eternas. Strahinja e Nemanja construíram suas próprias imagens com todos os estereótipos de street survivors: fortes, tatuados, viris.

Ambos são familiarizados com a bola laranja. Strahinja teve passagem pela Europa, e Nemanja jogou nos Estados Unidos, na Universidade de Detroit Mercy. Hoje, o lugar dos dois é fora das quatro linhas, nas primeiras cadeiras da Ball Arena, gritando em apoio ao MVP da temporada passada.

Quando Nikola, em 2012, foi contratado pelo Mega Vizura, não teve a opção de seguir sozinho para a grande Belgrado. Strahinja acompanhava um jovem de 2,11m, mas com maturidade que não seguia a avantajada estatura.

Strahinja, Nikola e Nemanja: Band of Brothers. Foto: Denver Post.

Para o jovem da província, fã de refrigerantes, os treinos e agenda de partidas de um time profissional eram duros, e ao mínimo sinal de corpo mole, Strahinja o chamava no canto da quadra e, talvez com menos poesia que Shakespeare, lembrava-o sobre as origens no minúsculo apartamento de Sombor e da irmandade que os levaria ao sucesso. Band of brothers.

De Belgrado, o trio seguiu para os Estados Unidos, em 2014. A simpática e receptiva Denver tornou-se, até hoje, a embaixada sérvia para a família. O American Way of Life é repleto de histórias de superação de imigrantes que lutam até serem acolhidos pelas estrelas e listras. O clã Jokic não começou sua jornada yankee com discrição, pelo contrário: no apartamento que até pouco tempo dividiam, os vizinhos relatavam o temor quando encontravam Strahinja e Nemanja no hall do prédio – situação mezzo xenofóbica, mezzo somos bad boys.

Nikola já pisou em solo estadunidense com o caráter formado e a personalidade mais gregária – e útil – que um imigrante pode ter: o gigante bem-humorado, que perde valiosos minutos antes das partidas para saudar crianças nos corredores da arena do Nuggets.

Já Strahinja e Nemanja são os pilares de madeira que suportam o peso de Nikola. O estrangeiro que reinventou, nestes tempos, o papel do pivô como um legítimo armador. O menino sérvio que, na apertada poltrona de seu voo da Europa para os EUA, decidiu parar de tomar Coca-Cola em prol da longevidade no showbiz da NBA.

Mas nem todos os sacrifícios dos Jokic são aparentes como esse.

O que pensam Strahinja e Nemanja quando deitam a cabeça no travesseiro, à noite?

Somos poucos, poucos, mas felizes – nós, bando de irmãos.


🇺🇸 JJ Redick: more than a playoff record

Text written and released on August 11, 2020.

Today, September 21, 2021, the player announces his retirement. The last team that Redick was on court was the Dallas Mavericks, after a transaction considered controversial and with a breach of agreement, according to Redick, by the New Orleans Pelicans.

With the New Orleans Pelicans losing to the San Antonio Spurs in the sixth round of the Orlando bubble, all chances for Zion Williamson’s team to move forward ended. In addition to excluding the season title battle, this game marked the breaking of JJ Redick’s record – 21 consecutive years playing in the playoffs since high school.

Although at the first press conference as a player on the Louisiana Redick team he joked with Zion so that the rookie wouldn’t spoil his playoff streak, he is much more than that and, as much as he fought for 31 points against Gregg Popovich’s team, his legacy is significant and essential on the court. The 36-year-old is already thinking about his future outside the four lines.

Redick and NBA referee Marat Kogut. Credit: Barstool Sports

Redick wore the legendary blue and white jersey from Duke University and established himself as one of the biggest idols of the team. His shirt four was retired in 2007, just a year after his admission to the NBA, drafted by the Orlando Magic. He held the record (another one!) for consecutive free throws – 54 – until 2012. His three-point plays were instrumental in Duke Blue Devils victories for four years. 

As the team’s symbol athlete during the 2000s, Redick was elevated by rivals to the most hated college player during his time in the Duke shirt. CBS Sports commentator Clay Travis went even further, calling him “the most hated athlete in America.” In many interviews, Mike Krzyzewski, Coach K, has stated that Redick received the “inheritance” of hate from another big university name, late 1980s star Christian Laettner. “JJ was the player who got the worst from everyone who went through Duke.” 

During his rookie year, fans at other universities painted red marks on his skin, symbolizing the pimples that young Redick had on his back. The solution was to adopt a white shirt under the jersey

But the other offenses rose in pitch and couldn’t be hidden so easily. Posters were brought to the games with obscene phrases about Redick’s younger sister. His cell phone number was released, and he received hundreds of angry calls daily. During a 2003 match against the Maryland Terrapins on the opponent’s crowded court, about 17,000 people shouted “f***-**, JJ” so loud that the audio was impossible to conceal on the television broadcast.

But why was Redick so hated? First, for being VERY good. His university career average, from 2002 to 2006, was 20 points. In addition, he held the record for three-point balls in the NCAA for 12 years. 

Then, by incorporating the character of the villain given by the opposing fans. “I certainly deserved it,” Redick has said in countless interviews about his past. “I was an ass.”

When booed, he threw up his hands and laughed. His smile was seen mainly in free throws when the crowd’s hatred, according to him, became fuel for his high performance on the court.

Outside of it, Redick considered dropping out of the university a few times due to the aggressive demonstrations. 

But he persisted and managed to reach the rank of one of the best three-pointers in the NBA, passing through the Magic, the solid Clippers of Chris Paul, Philadelphia 76ers, and New Orleans Pelicans, chosen to mentor the other four players in his fraternity alma mater. 

Credibility as the veteran who leads and motivates the locker room was built naturally over time, partly also credited to his solid marriage to Chelsea Redick (“she kept me from becoming a complete idiot,” exaggerates). So we could see the face of A highly organized professional who shoots around 300 baskets on Sundays and takes no more than three days of vacation after the season to maintain his excellent fitness – his movement without the ball is considered one of the best in the NBA.

When asked in 2018 during a pre-season interview in Philadelphia if he would feel like coaching, Redick laughed and said, “I have no desire to coach at all unless I’m from Duke.” He continued: “but nobody wants to be the coach after Coach K. Everybody wants to be the guy after his replacement.” What if the legendary Krzyzewski called him to be his assistant? “Of course, I would say yes. Nobody says no to Coach K”, he added between laughs. 

Redick and Coach K. Credits: 247 Sports

Until a future invitation from Duke arrives, Redick shows himself to be a man with refined contemporary tastes. Son of a vegetarian nutritionist and an artist, he was raised in a rural area, along with his brothers, receiving education at home until high school. Interior decoration lover, he showed his apartment in Brooklyn, New York, to many specialized magazines. In addition to being an avid reader of books, he also collects wines and is one of the players who invest the most in the subject, giving preference to French labels. 

He hosted the podcast that previously bore his name, interviewing his basketball peers and people in business and artists. Smart, Redick has been through many spheres, being one of the most politicized athletes in the NBA. And in Orlando’s bubble, a project debuted – another podcast, The Old Man & The Three.

JJ Redick leads your way, and it is much, much more than a record.


🇧🇷 JJ Redick: mais do que um recorde de playoffs

Texto escrito e divulgado em 11 de agosto de 2020.

Hoje, dia 21 de setembro de 2021, o jogador anuncia sua aposentadoria. O último time que Redick esteve em quadra foi o Dallas Mavericks, após uma transação tida como polêmica e com quebra de acordo, segundo Redick, por parte do New Orleans Pelicans.

O Mavs foi a ̼ltima parada do ex-astro da Duke. Foto: Brandon Wade/Special Contributor РDallas Morning News

O SG do Pelicans evoluiu de bad boy da Duke até veterano referência para novatos e podcaster de sucesso

Com a derrota do New Orleans Pelicans para o San Antonio Spurs na sexta rodada da bolha de Orlando terminaram todas as chances do time de Zion Williamson seguir adiante. Além da exclusão da batalha pelo título da temporada, esse jogo marcou a quebra do recorde pessoal de J.J. Redick – 21 anos consecutivos participando dos playoffs desde a high school.

Apesar de na primeira coletiva como jogador do time da Louisiana Redick tenha brincado com Zion para que o novato não estragasse sua sequência de playoffs, ele é muito mais do que isso e, por mais que tenha lutado fazendo 31 pontos contra o time de Popovich, seu legado é grande e importante dentro das quadras e agora o veterano de 36 anos já pensa em seu futuro fora das quatro linhas.

Redick vestiu o lendário jersey azul e branco da Duke University e ali se consolidou como um dos maiores ídolos da equipe. Sua camisa 4 foi aposentada em 2007, apenas um ano após sua admissão na NBA, draftado pelo Orlando Magic. Ele deteve o recorde (mais um!) de lances livres consecutivos – 54 – até 2012. Suas jogadas de três pontos foram determinantes para as vitórias do Duke Blue Devils durante quatro anos. 

Como atleta símbolo do time durante os anos 2000, Redick foi elevado pelos rivais à categoria do jogador universitário mais odiado durante o tempo que vestiu a camisa da Duke. Clay Travis, comentarista da CBS Sports, foi mais além, chamando-o de “atleta mais odiado dos Estados Unidos”. Em muitas entrevistas Mike Krzyzewski, o Coach K, declarou que Redick recebeu a “herança” de ódio de outro grande nome da universidade, Christian Laettner, estrela do fim dos anos 80. “J.J. foi o jogador que recebeu tudo de pior, de todos os que passaram pela Duke”. 

Durante seu ano de estreia, torcedores de outras universidades pintavam na pele marcas vermelhas, simbolizado as espinhas que o jovem Redick tinha nas costas. A solução foi adotar uma camiseta branca por baixo do jersey

Mas as outras ofensas subiram de tom e não puderam ser escondidas tão facilmente. Cartazes eram levados para os jogos com frases obscenas sobre sua irmã caçula. Seu número de celular foi divulgado e ele recebia diariamente centenas de chamadas raivosas. Durante uma partida em 2003 contra o Maryland Terrapins, na quadra lotada do adversário, cerca de 17 mil pessoas gritavam “f***-**, J.J.” tão alto que o áudio era impossível de ser ocultado na transmissão televisiva.

Mas por que Redick era tão odiado? Primeiro por ser MUITO bom. Sua média na carreira universitária, de 2002 a 2006, foi de 20 pontos. Ele deteve por 12 anos o recorde de bolas de três pontos na NCAA, a liga universitária estadunidense. 

Redick na Duke: o bad boy que nunca quis esse apelido. Foto: FanBuzz

Depois, por incorporar o personagem de vilão dado pelas torcidas adversárias. “Certamente mereci isso”, disse Redick em inúmeras entrevistas sobre seu passado. “Eu era um imbecil.”

Quando vaiado, ele levantava as mãos e ria. Seu sorriso era visto principalmente na cobrança de lances livres, quando o ódio da torcida, segundo ele, virava um combustível para seu alto rendimento em quadra.

Fora dela, Redick pensou em abandonar a universidade por algumas vezes devido às manifestações agressivas. 

Porém persistiu e logrou alcançar o posto de um dos melhores atiradores de três pontos da NBA, passando pelo Magic, pelo sólido Clippers de Chris Paul, Philadelphia 76ers e New Orleans Pelicans, escolha feita para ser mentor dos outros quatro jogadores da fraternidade de sua alma mater. 

A credibilidade como o veterano que lidera e motiva o vestiário foi construída naturalmente ao longo do tempo, parte também creditada ao casamento sólido com Chelsea Redick (“ela evitou que eu me tornasse um completo idiota”, exagera) e assim pudemos ver a face do profissional altamente metódico, que atira cerca de 300 cestas aos domingos e não tira mais do que três dias de férias após a temporada para manter seu excelente condicionamento físico – sua movimentação sem a bola é considerada uma das melhores da NBA.

Quando perguntado, em 2018, durante uma entrevista de pré-temporada no Philadelphia, se teria vontade de ser técnico, Redick riu e disse: “não tenho vontade nenhuma de ser técnico, exceto se fosse da Duke”. E continuou: “mas ninguém quer ser o técnico depois do Coach K. Todo mundo deseja ser o cara depois do substituto dele”. E se fosse chamado pelo lendário Krzyzewski para ser seu assistente? “Claro que diria sim. Ninguém diz não ao Coach K”, completou entre gargalhadas. 

Até que um futuro convite da Duke chegue, Redick mostra ser um homem com refinados gostos contemporâneos. Filho de uma nutricionista vegetariana e de um artista plástico, foi criado, junto com os irmãos, em uma área rural, recebendo educação em casa até o ensino secundário. Amante de decoração de interiores, mostrou seu apartamento do Brooklyn, em Nova Iorque, para muitas revistas especializadas. Além de ser um ávido leitor de livros, também coleciona vinhos e é um dos jogadores que mais investe no assunto, dando preferência aos rótulos franceses. 

Foi host do podcast que anteriormente levava seu nome, entrevistando não só os colegas do basquete, mas também empresários e artistas. Inteligente, Redick tem passagem por muitas esferas, sendo um dos atletas mais politizados da NBA. E na bolha de Orlando estreou um projeto – outro podcast,The Old Man &The Three.

J.J. Redick comanda seu caminho e é muito, mas muito mais que um recorde.


Quin Snyder: quantas redenções têm a vida de um felino?
Quin Snyder em ação no Utah Jazz. Foto: SB Nation.

Algumas pessoas externam seu totem animal. Quin Snyder é uma delas. O técnico do Utah Jazz se parece com um gato esguio. O olhar que freneticamente acompanha seus jogadores em quadra, a atenção ao esquema tático desenhado por ele. Porém, ao se movimentar freneticamente ao mínimo esboço de uma jogada malfeita ou de uma marcação de falta, Snyder vira (outro) bicho. Seus braços balançam rapidamente; as mãos são passadas nos cabelos que, mesmo com gel, sempre estão desalinhados.

A temporada de 2020/21 parecia ser a recompensa dos árduos sete anos à frente do Utah Jazz. Uma franquia sem campeonatos, com apenas dois títulos de conferência (1997 e 1998) e que recentemente esperava que a dedicação de Snyder ao grupo gerasse o tão esperado troféu da NBA

O início da temporada foi um recorde da franquia – 23 vitórias e cinco derrotas. Donovan Mitchell e Rudy Gobert eram uma dupla de explosão. O pivô francês ganharia pela terceira vez o título de Defensor do Ano, blindando o garrafão do Jazz. Joe Ingles revertia sua experiência em partidas sólidas. E Jordan Clarkson fez valer, desde o começo, o título que ganharia, de Sexto Homem da NBA. 

Quin Snyder colocou nos holofotes muitos de seus pupilos, mas como a vida é luz e sombra, yin e yang, o mestre não teve seu momento de glória. Como não planejado e muito mesmo previsto, o Utah Jazz, primeiro da Conferência Oeste, caiu cedo demais na temporada, perdendo a segunda rodada dos playoffs, as semifinais, para o inconstante Los Angeles Clippers. O Jazz, contudo, venceu as duas primeiras partidas em Utah. Mas os angelinos ganharam quatro jogos e despacharam para casa um dos favoritos ao título. 

Mais uma queda na trajetória do cidadão de 54 anos nascido em Mercer Island, no frio estado de Washington. E quem vem ao mundo em um lugar de águas tem uma percepção diferente da vida, diriam alguns. Snyder talvez encare seu ciclo terrestre como uma parábola ou um gráfico irregular com periódicas subidas e descidas. 

Armador na Duke por quatro anos, fora das quadras ele aproveitou a estadia na tradicional universidade para se graduar em Filosofia, Ciências Políticas e Direito. E na panela de pressão do Cameron Indoor Stadium, ele atravessou as quatro linhas e ocupou o banco dos Blue Devils por seis anos, de 1993 até 1999. Ele foi de assistente administrativo até técnico associado, conquistando espaço na equipe do firme Mike Krzyzewski. 

Mas à beira dos frenéticos anos 2000, Snyder deixa o grupo do Coach K e assume a liderança do time da Universidade do Missouri, o Tigers. O sucesso no Mizzou fez com que ele fosse convidado, em 2003, para ser técnico assistente de Tom Izzo, da Michigan State, na equipe dos EUA dos jogos Pan-Americanos de Santo Domingo. Na ocasião, a equipe estadunidense ficou em quarto lugar no torneio.

Quin Snyder, em Missouri, discute uma falta com o árbitro Ed Hightower. Foto: AP Photo/L.G. Patterson

Porém, em 2004, o basquete não foi protagonista na vida de Snyder. Ele foi citado em 17 acusações em uma investigação conduzida pela NCAA, a liga universitária esportiva dos Estados Unidos. O processo envolvia violações nas estritas regras de relacionamento entre os times das instituições educacionais e os jogadores. Os assistentes de Snyder teriam dado dinheiro, presentes e refeições ao armador Ricky Clemons, além de terem supostamente entrado em contato com recrutadores de basquete.

O atual técnico do Jazz relata que eventualmente recebeu o jogador para uma refeição em sua casa, e que deu a ele algumas roupas. As acusações não foram levadas adiante pelo comitê, porém a turbulência levou Snyder para outros ares. Em 2006 ele se demitiu da equipe, mas depois foi informado de que seria desligado do Mizzou de qualquer maneira. Até hoje paira-se a dúvida de que se Snyder foi demitido ou pediu para sair. 

À época, uma foto viralizou, mostrando um Snyder curtindo o famoso Carnaval de New Orleans, visivelmente embriagado. O direito à privacidade parece ser esquecido quando alguém assume a liderança de uma equipe de basquete, seja na NBA ou universitária. E o (falso) moralismo esportivo cobra sua conta. 

O Quin Snyder de hoje vende a imagem de um técnico intenso, que intercala as explosões em quadra com simpáticos vídeos no YouTube de receitas culinárias. Em uma delas, ele conta como a torta de sorvete é uma sobremesa que o relembra de sua infância e de sua mãe. Já em outro vídeo, vemos o técnico fazendo um saudável smoothie ao lado de seus filhos:

A redenção de Snyder até a NBA passou pelo estágio probatório na D-League, a antiga G League. Após pensar em largar as pranchetas do basquete depois do escândalo de Missouri, ele assumiu o Austin Toros, que era filiado à franquia do San Antonio Spurs. E estar nas terras texanas significava fazer parte do mais cobiçado – e cobrado – guarda-chuva hierárquico da NBA: o de Gregg Popovich.

Após alternar entre céu e inferno, Snyder pegou com unhas e dentes a missão do Toros. Ele cobrava profissionalismo extremo dos jogadores da antiga liga, que levava a fama de ser um lugar para atletas que não foram bem-sucedidos na NBA. Os resultados logo apareceram: em 2007, na sua primeira temporada, levou o Toros às finais da liga. 

O bom desempenho de Quin na D não somente deu a ele um passaporte para a NBA, mas também levou seu assistente por mais de dois anos, Taylor Jenkins, para as estreladas quadras da maior liga de basquete profissional masculino do mundo. O jovem assumiria, em 2019, o cargo principal do banco do Memphis Grizzlies. 

Em 2010, Snyder segue para a Filadélfia, para ser técnico de desenvolvimento do 76ers. Daí, o felino Quin voou anualmente de time, passando por Los Angeles Lakers, CSKA Moscow e Atlanta Hawks, até finalmente pousar na tradicional e religiosíssima Utah para comandar o Jazz. 

Se os gatos têm sete vidas, Quin Snyder gastou no mínimo umas seis em sua jornada de altos e baixos no basquete. 

%d blogueiros gostam disto: