O brilho da arbitragem portuguesa

Por José Andrade

Com muita alegria venho falar um pouco sobre os árbitros portugueses aqui no Árbitros NBA, uma referência para todo o mundo, e por isso poder apresentar algum dos nomes que por vezes são esquecidos apesar de serem fundamentais. Isso é incrível para mim. Por isso venham comigo que vou falar de árbitros de muita qualidade. 

Falar de arbitragem em Portugal é sempre muito complicado. No basquete, os árbitros nem quando erram são falados e acabam sendo muito esquecidos. Nem nos órgãos de comunicação social as conquistas de alguns árbitros são faladas. Apesar do basquete português não estar ainda ao nível dos melhores países, conseguimos ter alguns árbitros ao mais alto nível, com presenças nas grandes competições do basquete europeu e mundial. Não dá para falar de todas as conquistas, mas escolhi alguns árbitros que conseguiram e conseguem, mesmo sem apoios e sem destaque nenhum, chegar a um patamar elevado. 

Sónia Teixeira

Começo pela Sónia Teixeira, uma das figuras da arbitragem portuguesa que há muito passou as fronteiras de Portugal. Eu vou falar e apresentar alguém que leva o basquete português muito longe. A Sónia começou como jogadora, ela é natural de Lisboa e como aconteceu com muitos, ela começou como jogadora. Ainda como jogadora decidiu tirar o curso de juiz de basquete, daí depois teve a primeira escolha, ser árbitra ou juiz de mesa. Como ela era muito irrequieta, sempre em movimento ela optou por árbitra. Foi a melhor do curso e desde sempre se percebeu que a Sónia ia muito longe – já leva 13 anos no topo do basquete português. A estreia dela foi em abril de 1997 numa partida entre Barreirense de Portugal e o Action Sports de Espanha, para o XiraBasket um torneio em Vila Franca de Xira. Era tão irrequieta que durante os primeiros anos conciliou a carreira de árbitra com a de jogadora e de treinadora, tudo isto revelando a paixão pelo basquete que a Sónia tem.

Sónia ´é referência feminina na arbitragem de Portugal. Foto: arquivo do colunista.

Depois foi crescendo, subindo de nível e optou pela arbitragem. Chegou na Liga Portuguesa de basquete rapidamente, onde se assumiu desde cedo como uma dos melhores. Apitou no feminino e no masculino, e hoje é a referência que é, inspirando muitas meninas que olham para a Sónia e conseguem ver que é possível. A Sónia já apitou na Euroliga, na EuroCup, na Supertaça Europeia e em várias competições de seleções, é uma árbitra referência no basquete europeu. 

Sónia marcou presença em muitas ligas na Europa. Foto: arquivo do colunista.

Fernando Rocha

O outro árbitro que vou falar é Fernando Rocha, que leva muitos anos de arbitragem e também ele com um estatuto internacional.  Fernando Rocha tem 51 anos e é natural do Porto. Tal como com a Sónia, também Fernando Rocha foi jogador, durante apenas um ano, quando tinha 15 anos no Clube Educação Física do Norte. A paixão pela arbitragem sempre existiu: em diversas entrevistas Fernando Rocha revela que desde cedo era ele o árbitro em aulas de educação física; ele pedia e gostava de apitar os jogos com os colegas e nas aulas pedia sempre para os professores o deixarem ajudar ou apitar tudo o que podia.

Fernando Rocha: destaque internacional. Foto: arquivo do colunista.

Esse gosto não passou despercebido, e um dos professores falou para ele se inscrever num curso de arbitragem e assim foi: ele se inscreveu e desde os 16 anos que é árbitro de basquete. Aos 17 anos já era árbitro federado e aos 22 anos já apitava na 1ª Divisão da Associação de Basquete do Porto, daí até chegar na 1ª Divisão de basquete de Portugal foi muito rápido.

Desde os 25 que é arbitro da Liga Internacional da FIBA – demorou apenas um ano para apitar uma partida no basquete internacional. 2000 marcou o ano em que se estreou na Euroliga. Fernando Rocha leva quatro presenças na final-four da Euroliga, na EuroCup leva outras quatro presenças, e apitou ainda na extinta competição de basquete europeu, a EuroChallenge, um dos árbitros mais consagrados a nível europeu. Além das competições de clubes, Fernando Rocha já esteve presente em dois campeonatos do mundo (2010 e 2014), e quatro presenças ainda no Eurobasket (2009, 2011, 2013 e 2015), sendo que no Eurobasket esteve presente em finais e em jogos decisivos. Ainda apitou no torneio pré-olímpico de 2016. Fernando Rocha é sem dúvida o melhor arbitro português, e uma referência no basquete europeu.

Rocha é árbitro FIBA desde os 25 anos. Foto: arquivo do colunista.

Como eu disse falar de arbitragem é sempre complicado, falar de árbitros de basquete é ainda pior porque ninguém fala deles, a verdade é como eu mostro aqui temos dois árbitros a um nível que não existe em outros esportes. Mesmo sem apoios existem árbitros de qualidade mundial, capazes de sozinhos levar o basquete português a patamares que nem os clubes conseguem alcançar. Falta reconhecimento para os nossos árbitros, e eu com muito orgulho venho apresentar para todos dois grandes nomes no basquete português. 

Espero que tenham gostado, foi uma honra vir no Árbitros NBA escrever sobre basquete tuga e sobre os árbitros portugueses, espero que tenham gostado e que todos estejam bem. 

Publicado por Alice Barbosa

NBA journalist and writer. Árbitros NBA creator, website/social media about NBA refereeing. ECB editor. Jornalista e escritora, criadora do projeto Árbitros NBA (site, Twitter e Instagram). Editora no Esporte Clube Basquete. Periodista y escritora, creadora del proyecto Árbitros NBA (sitio web, Twitter e Instagram). Editora en Esporte Clube Basquete. @aliceviralata @arbitrosnba

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: